sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Calor, Sexta, Vinho!!!



Hoje é sexta-feira, estou muito feliz, uma amiga de infância que amo muito me mandou um e-mail, é tão bom relembrar o passado. Miga Elaine, espero te ver em breve!
Não sei você querido leitor, mas eu fico com ótimo humor nesse verão, principalmente de sexta-feira. Por isso, hoje tenho duas dicas! Lembrando que o que vale é o gosto de cada um, então leia atentamente as características dos vinhos abaixo, para ver se é bacana para você.

Veja!

Nome: Crémant de Limoux Brut Cuve
Produtor: Domaine Collin
Uva: pinot noir, chardonnay
Safra: -
Região: Languedoc - Limoux
Preço: 48,00
Olfato: cítrico, floral, mel, aquele cheirinho gostoso de fermento, típico dos espumantes.
Paladar: agradável, refrescante, equilibrado, boa acidez.
Delicioso, ótimo com saladas, peixes, comidinhas leves de verão.


Veja!

Nome: Winemaker’s Lot
Produtor: Conha y Toro
Uva: riesling
Safra: 2007
Região: Chile
Preço: 56,00
Olfato: abacaxi, mineral.
Paladar: sobra álcool, boa acidez, um leve amargor, a fruta desapareceu um pouco, não tem muito extrato, fica localizado só na frente da boca, não tem muito frescor, achei que para o calor que está não ficou muito bom.
Comi com franguinho assado e salada. Não combinou, sobrou álcool e o frango – coitado, desapareceu.


Bom é isso, tire O Sacarolha! e Cheers!

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Churrasco - Cerveja

Bom, espero que eu tenha conseguido despertar a curiosidade de vocês para outras cervejas. Beber cerveja em família, com os amigos, sempre traz um momento de descontração, alegria,  entrosamento entre as pessoas. Com cerveja não tem frescura, não tem pompas, o apelo é a simplicidade. Pensando em experimentar cervejas diferentes, tente beber com qualidade e não quantidade.  Elas tem os preços diferenciados, eu sei, mas vale a pena. A previsão do tempo para este fim de semana é................... churrasco com cerveja, rsrs.


Prove!



Nome: Warsteiner Dunkel
Família: Lager (baixa fermentação)
Estilo: Dunkel Lager
origem: Alemanha
teor Alcoólico: 4,9%
cor: escura

Olfato: tostado, café, castanhas, malte tostado, o lúpulo bem discreto.
paladar: baixa doçura, refrescante, leve, baixo teor alcoólico, fácil de beber.
Combina com: CHURRASCO.

Bom é isso, tire O Sacarolha! e Cheers!

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Madeira - Eis a questão!

Estou fazendo um curso de sommelier para enófilos e estou aprendendo muiiitttoooo. Na aula dessa semana surgiu a discussão que atualmente é moda o vinho ter esse gosto amadeirado, pode ser uma tendência, mas precisamos estar antenado nesse assunto.

Até a metade do século XX, ainda se usavam numerosos tipos de madeira, como carvalho, castanheiro, robínia, freixo e outras mais, mas atualmente você ouve e lê em alguns rótulos carvalho americano ou carvalho francês.

O carvalho é uma árvore do gênero Quercus. Essas árvores vivem vários séculos, chegando a atingir portes de 30 a 50 metros. Elas são cortadas para fazer barris quando têm de 150 a 250 anos, pois nessa faixa etária atingem as dimensões ideais. Elas são cortadas e preferencialmente ficam a ar livre para secarem, pois a secagem natural possibilita a maturação da madeira pela ação de microorganismos que alteram sua composição química, essa secagem ao ar livre dura de 24 a 36 meses, antes de virarem o barrilzinho que nós conhecemos.

 Após essa secagem, acontece a queima que dá formas as duelas sem quebrá-las, as duelas são aquecidas lentamente, o vídeo que eu coloco mais abaixo, mostra perfeitamente esse processo. E por último acontece a tosta.

A tosta afeta a madeira de diversas formas, existem quatro níveis de intensidade. A leve , a média, média escura e a forte. Então o enólogo decide quando vai comprar esses barris qual a tosta que ele vai querer.

Como a tosta afeta a madeira, libera numerosas moléculas odoríferas, por exemplo, em uma tosta leve, podemos ter notas do tipo baunilha e láctea, em uma tosta média capuccino, bala toffee, e em uma tosta forte café, tostados, carvão, chocolate amargo. Diminui os taninos (aquela sensação de comer um caju) e por último participa na cor dos destilados. Mais abaixo vou colocar um vinho que provamos que tras bem isso.

O carvalho utilizado na fabricação de barris de qualidade, é o Quercus petrae (carvalho-séssil), o mais procurado, por conseguinte, o mais caro, eles podem vir da França - regiões como Allier, Tronçais, Centre France, Vosges, Bourgogne, Nevers e Bertranges e tem também o carvalho americano, o Quercus Alba, muito explorado, baixa custo, farta disponibilidade, origina-se do leste Americano – Missouri, Illinois, Indiana, Ohio, Pensilvânia, Minnesota, Virgínia, Arkansas, Kentucky.

Atualmente, quase todas as regiões do mundo empregam barricas de cerca de 225 litros, volumes menores oxidam o vinho, volumes maiores não entram em contato com a madeira, portanto não atinge a perfeição. Cada barrica de 225 litros, consegue-se fazer 288 garrafas, que dá 216 litros, o restante são perdas por evaporação.

No Brasil, a representante da Saury, que fica em Bento Gonçalves, Regina Flores, me disse que o preço médio de uma barrica de carvalho francês de primeira qualidade é de USD 1.200 e carvalho americano USD 700.

O vídeo é bem legal, são 6 minutinhos, um trabalho lindo, mas meu deus, tão cansativo, você que reclama do seu dia-a-dia, páre pois tem trabalho muito mais cansativo que o seu. O vídeo ilustra o que eu escrevi e nos leva a imaginar quanto é caro para se produzir um vinho de qualidade, portanto podemos refletir antes de afirmar que o preço daquele determinado vinho é caro ou não vale o preço, mas isso é outra questão, outro post e pode não ter fim essa discussão.

http://www.youtube.com/watch?v=3LBGPKgQ2ac&feature=related

Prove o vinho!

Nome: Malbec D.O.C Luján de Cuyo 2008
Produtor: Luigi Bosca
Uva: Malbec
Safra: 2008
Região: Luyán de Cuyo e Maipú
Preço: 80,00
Olfato: carvalho, madeira, baunilha, coco, mentolado, eucalipto.
paladar: tanino fino, redondo, toque salgado, pouca acidez, falta fruta.

Bom é isso, tire O Sacarolha! e Cheers!